18 de setembro de 2017

Taxa segura de retirada (TSR): guia do Early Retirement Now

Recentemente encontrei uma série do Early Retirement Now sobre taxa segura de retirada (TSR ou SWR em inglês). São dezenove posts bem densos com muita informação sobre o tema que ainda é pouco explorado por aqui. Ainda estou lendo a parte 6 e se entendi metade foi muito. Anotei pra usar como referência e ler com calma. Outra referência mais simples e que pode ser utilizada de forma introdutória ao assunto pode ser encontrada neste post do Mad FIentist.

Comprei o Expected Returns do Antti Ilmanen no Kindle Day da Amazon. Pelas recomendações o livro parece ser excelente e a Amazon está com 50% de desconto para livros em inglês até o próximo dia 24/9 usando o código INGLES50. Como o livro é BEM caro, essa é uma ótima oportunidade de comprar o ebook a pouco menos de 60 reais.


O próximo da lista de leitura

Abri conta na Drivewealth mas ainda não fiz nenhuma remessa. Achei a interface do app e do portal bem esquisitas. Estou pensando se não é o caso de fazer conta na TD Ameritrade e/ou na Interactive Brokers.

O rompimento do topo histórico do IBOV coincidiu com a chegada do meu primeiro milhão. Os bons ventos bursáteis me fizeram atingir a meta dois meses antes do esperado. Os próximos objetivos são o milhão de dólar e o milhão de euro. :)

Abraços,

IOTR

1 de setembro de 2017

De volta, portfolio atualizado e às compras: IWDA e EMIM

Após quatro longos meses sem postar nada, estou de volta. Peço desculpas pela ausência, mas tenho tido uns dias bem complicados no trabalho. Cheguei até a rabiscar um post sobre isso no mês passado, mas achei que seria um mimimi danado e que não acrescentaria nada, daí nem publiquei.

Terminei de ler o Your Money or Your Life e o Investindo em Ações no Longo Prazo. Esse último é realmente muito bom como todos dizem, porém achei que há um viés muito positivo para ações que deve ser bastante ponderado por quem o lê. Estou terminando de ler o Antifrágil do Taleb e recomendo muito. Acho todos os livros dele ótimos e esse não é exceção.

Por conta do resgate do FGTS e do vencimento de alguns títulos do TD e CDBs minha alocação agora está assim:
  • Renda variável -  49%
    • Ações no Brasil - 36,5%
    • Investimentos no exterior - 12,5%
      • ETFs MSCI World - 5%
      • ETFs MSCI Emerging Markets - 5%
      • ETF Euro Stoxx 50 - 2%
      • Saldo na corretora - 0,5%
  • Renda Fixa - 51%
    • Poupança - 15,2%
    • Tesouro Direto - 13%
      • Títulos IPCA - 12,2%
      • Titulos pós-fixados - 0,5%
      • Títulos SELIC - 0,3%
    • FGTS - 7,5%
    • PGBL - 6,6%
    • VGBL - 5,5%
    • CDBs - 3,2%
As considerações de sempre:
  1. O valor ficou ainda mais alto em poupança. Estou aguardando boas oportunidades de compra de euro que não têm aparecido nos últimos meses para fazer novas remessas. Com essa queda recente do euro devo voltar a aportar por volta dos 3,70.
  2. Meu portfólio no exterior está um pouco mais pesado para emerging markets. O CAPE americano está me deixando com a pulga atrás da orelha.
  3. Passei a aportar nos ETFs IWDA e EMIM da iShares. Mesma taxa de administração e com a vantagem de serem estruturados com replicação otimizada. Seus pares da Comstage que eu utilizava (PMEM e PMSW) são sintéticos (baseados em swap). Isso, aliado à baixíssima liquidez dos ativos na Bolsa de Lisboa, me fez mudar a estratégia. Vou pagar um pouco mais na corretagem na Bolsa de Amsterdam, mas é do jogo.
  4. Sempre lembrando que ESSE POST NÃO É INDICAÇÃO DE INVESTIMENTO.
Estou muito próximo do primeiro milhão. É só um número, mas dá uma motivação bacana. O mais legal mesmo é ver a estratégia dando resultado.

Espero que consiga não ficar tão afastado daqui nos próximos meses.

Abraços,

IOTR

26 de abril de 2017

Crescimento patrimonial de 1% no IRPF - reflexões

Terminei meu imposto de renda nesse feriado e reparei que, ao contrário de outros anos onde meu patrimônio crescia entre 15 a 20% a.a, o ano de 2016 me trouxe um crescimento patrimonial de 1%.

UM. POR. CENTO.

Imediatamente acendeu a luz vermelha na minha cabeça, pois isso significa que além do PGBL da empresa (que não entra na declaração de Bens e Direitos) não aportei quase nada ao longo de 2016. Meu custo de vida aumentou significativamente no ano passado e minha renda não acompanhou.

Estou vendo uma maneira de reduzir minhas despesas fixas e cortar ainda mais os gastos supérfluos, que já apertei bem ao longo do ano passado por perceber que isso estava acontecendo. O aporte não pode ser prejudicado!

Desde o último post consegui ler alguns bons livros que recomendo abaixo:

If You Can - William J. Bernstein - livro rápido e de fácil leitura sobre o básico de investimentos para millenials. O próprio autor disponibiliza versões de graça através do link http://efficientfrontier.com/ef/0adhoc/2books.htm. Recomendo gastar uma hora do seu dia lendo independentemente do seu nível de conhecimento, pois dá pra pescar um ou outro insight interessante.

The Investor's Manifesto - William J. Bernstein - uma versão bem mais densa e completa do mesmo autor. Excelente leitura.


The Bogleheads' Guide to Investing - peguei essa recomendação no blog do Viver de Renda e não me arrependi. Livro bem completo, até as partes onde se discute tributação do investidor americano, que não nos servem de absolutamente nada, são leituras interessantes. Altamente recomendado.


Outros livros que estou lendo:

Your Money or Your Life - Outra indicação do Viver de Renda e do Frugal. Meio esotérico para o meu gosto, com umas coisas de ambientalismo dispensáveis e uma pegada um tanto auto-ajuda pro meu gosto. Mesmo assim tem muita coisa interessante: achei a frase abaixo genial e bem convidativa à reflexão:

“Money is something we choose to trade our life energy for.” 

Investindo em Ações no Longo Prazo - Jeremy Siegel - peguei em português a contragosto, pois estava bem mais barato que o original. Ainda estou no capítulo 6 e não consegui fazer nenhum juízo de valor.

Abraços,

IOTR

5 de abril de 2017

Imposto de Renda 2017 e prejuízo com ações de 2016: não esqueça de transportar (é manual!!!)

Estou terminando minha declaração de imposto de renda desse ano e percebi uma coisa que talvez nem todos saibam.

Enquanto o lucro nas vendas de até 20 mil reais é isento de IR, portanto não devendo entrar no preenchimento de ganhos líquidos da aba Renda Variável, não há qualquer limite ou empecilho para declaração de vendas com prejuízo.

Ou seja, se você vendeu 100 reais em ações porém teve prejuízo de 1000 reais (com alguma empresa X, por exemplo...), pode e DEVE declarar esse prejuízo no seu imposto de renda. Isso é fundamental para não pagar imposto indevido em futuras vendas de valores superiores a 20 mil reais com lucro.

O mais importante disso tudo é que não há prazo para compensação dos prejuízos em renda variável no imposto de renda. O programa da Receita, porém, não recupera seu prejuízo a compensar do ano anterior automaticamente.

Caso você não o faça manualmente, copiando o "prejuízo a compensar" de Dezembro de 2016 da aba Renda Variável para o campo "Resultado negativo até o mês anterior" de Janeiro de 2017 na declaração atual, pode estar abrindo mão de uma importante vantagem futura e pagando mais impostos que o necessário.

É um detalhe tão sutil que, ao preencher a declaração deste ano, reparei que não havia feito o transporte dos prejuízos de 2015 para 2016 e precisei retificar minha declaração do ano passado. Portanto, fiquem de olho no preenchimento e evitem perder essa vantagem fiscal; nunca se sabe até quando a isenção do IR para as vendas até 20 mil reais vai durar...

Abraços,

IOTR


27 de março de 2017

Portfolio: minha alocação atual

Resolvi conferir como está meu portfolio atualmente e minha alocação é a seguinte:
  • Renda variável -  46%
    • Ações no Brasil - 34,5%
    • FMP FGTS Petrobras e Vale - 3,5%
    • Investimentos no exterior - 8%
      • ETF MSCI World - 4%
      • ETF Euro Stoxx 50 - 2%
      • ETF MSCI Developing Markets - 2%
  • Renda Fixa - 54%
    • FGTS - 17%
    • Tesouro Direto - 13,5%
      • Títulos IPCA - 12,3%
      • Titulos pós-fixados - 0,5%
      • Títulos IGP-M - 0,4%
      • Títulos SELIC - 0,3%
    • Poupança - 7%
    • PGBL - 6%
    • VGBL - 5,5%
    • CDBs - 5%
Algumas considerações rápidas:
  1. Não tenho FIIs pois não entendo nada do mercado e não vejo vantagem alguma ainda em possuí-los. No futuro pretendo comprar algum ETF de REITs no exterior com 0% de distribuição por questões fiscais.
  2. Ave Temer que finalmente vai possibilitar o saque de quase todo meu FGTS, excetuando o depositado pelo meu atual empregador. Em breve, portanto, tudo vai virar moeda estrangeira.
  3. O valor alto em poupança é resultado de saques recentes de PGBLs antigos e devem ir para o exterior assim que possível.
  4. Nunca custa reforçar que esse post NÃO É INDICAÇÃO DE INVESTIMENTO
Para o fim deste ano, com o vencimento dos CDBs e do meu último título IGPM (que deixará saudades), pretendo ter a seguinte alocação:
  • Renda variável - 59,9%
    • Ações no Brasil - 34,5%
    • FMP FGTS Petrobras e Vale - 3,5%
    • Investimentos no exterior - 25%
      • ETF MSCI World - 4%
      • ETF Euro Stoxx 50 - 2%
      • ETF MSCI Developing Markets - 2%
      • ETFs a escolher - 17,4%
  • Renda Fixa - 40,1%
    • FGTS - 7%
    • Tesouro Direto - 13,1%
      • Títulos IPCA - 12,3%
      • Titulos pós-fixados - 0,5%
      • Títulos IGPM - 0,4%
      • Títulos SELIC - 0,3%
    • Investimentos no exterior (ETFs de Bonds e REITs) - 14%
    • Poupança - 7%
    • PGBL - 6%
    • VGBL - 5,5%
    • CDBs - 5%
Ainda não resolvi o que fazer com as ações do Brasil e os títulos do Tesouro Direto de vencimento mais longo. O PGBL, se possível, será gradativamente sacado assim que os depósitos entrarem na faixa tributária dos 10% e o restante do FGTS infelizmente só estará disponível se eu for demitido ou após 3 anos no exterior. De qualquer maneira, a alocação 60/40 será mantida conforme o planejamento.

Abraços,

IOTR

24 de março de 2017

OLX: o exercício do desapego

Desde que decidi me mudar tenho colocado minhas coisas paradas à venda no OLX. Achava que não tinha mais nada de valioso ou desnecessário, até que fiz uma verificação geral em casa na última semana. Encontrei coisas suficientes para uma dúzia de anúncios e coloquei tudo à venda.

Mesmo que você não esteja de mudança, acho que é um exercício muito interessante e proponho que faça isso no final de semana: seja bastante criterioso na análise e pense bem se aquele item realmente ainda te serve. Caso contrário, coloque-o à venda!

Na última semana vendi quase R$ 500 de coisas que estavam paradas em casa. É um aporte razoável e um alívio pelo espaço extra em casa. Além disso é um ótimo exercício de marketing e vendas, pois invariavelmente você precisará anunciar bem e negociar corretamente com os potenciais compradores.

Que tal esse desafio? Comente aqui sua experiência!

Abraços,

IOTR

15 de março de 2017

Os Mercadores da Noite (Ivan Sant'Anna): ebook grátis na Amazon

Pessoal, desculpe a insistência no tema, mas a Amazon está com umas promoções de ebooks imperdíveis. Comprei um Kindle recentemente e admito que tenho andado meio frenético com a possibilidade de digitalizar boa parte da minha biblioteca.

Ontem recebi uma promoção que dá 5 reais de desconto na compra do próximo livro, independentemente do valor gasto na compra do primeiro livro. Ou seja, se você pegar qualquer livro grátis, ganha cinco reais de crédito. Basta pegar qualquer livro de domínio público com custo de zero reais: Platão, Dostoiévski, Arthur Conan Doyle, James Joyce, Camões, Machado de Assis... Eu peguei as obras completas de Shakespeare em inglês.

Após a compra, o crédito de 5 reais é automaticamente creditado na sua conta. Procurei algo interessante em português, pois esgotei minhas opções em inglês com a última promoção deles. Encontrei um livro sensacional a pouco menos de R$5 que possuo em formato físico e indico de olhos fechados para quem gosta de suspense e mercado financeiro: Os Mercadores da Noite do Ivan Sant'Anna.



Não tive dúvidas e adicionei ao meu Kindle para uma eventual releitura assim que eu terminar meus 180 ebooks em inglês. É um livro fantástico, não dá vontade de largar. E de graça não tem como ser mais barato...

A promoção vai até 23h59 de HOJE, 15/03. Então corra e garanta mais essa!

Abraços,

IOTR